Descubra se você está pronto para assumir a empresa familiar com sucesso

Claudio-Zini-pormade-portas-materia

Além de formação adequada, características pessoais para liderar e experiências em outras empresas favorecem candidato

Estudar e se organizar são pontos fundamentais para quem pretende ocupar cargos ou até mesmo assumir o comando de um empreendimento da família. Essa é a opinião tanto de um empresário do setor, como de um especialista no assunto.

“Competência e liderança não são características hereditárias”, diz Claudio Zini, dono da Pormade Portas, fabricante de portas de madeira e acessórios do Paraná. Ele comanda um negócio de 74 anos de vida, fundado por seus tios e, neste momento, prepara os seus filhos para levarem a empresa adiante.

Zini conta que anos atrás a Pormade passou por desafios relacionados às disputas internas da família. Para sanar o problema, ele colocou a mão no bolso e adquiriu dos parentes todas as cotas societárias do empreendimento. Tornou-se o único dono. “As pessoas pensam de formas diferentes”, afirma o empreendedor que faturou R$ 60 milhões no ano passado e espera crescer ao menos 15% em 2013.

Já pensando na passagem de bastão, Zini conta que investe na formação dos futuros líderes da empresa. Atualmente, seu filho mais velho está em Barcelona, na Espanha, fazendo um curso de sucessão familiar. O outro se prepara para, provavelmente, substituir o pai. “Ele tem mais características de líder”, diz o executivo. Esse ambiente de competição, que privilegia a capacitação e as características de cada profissional, é um fator importante para que a “empresa possa ir à frente por muito tempo”, segundo Zini.

Na opinião de Leonardo Viegas, conselheiro de administração do IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa), o desafio de um herdeiro ao assumir um cargo de liderança na empresa da família é provar que ele é capacitado, “pois será mais cobrado”, conta. O lado positivo, explica, é que ele pode ter um conhecimento maior dos valores da empresa.

Viegas destaca que uma boa estrutura de governança auxilia no processo de sucessão. Para ele, ter um conselho de família, que separa assuntos familiares daqueles de direção do negócio, e contar com avaliação profissional externa são boas dicas para que o processo seja bem-sucedido.

“O ideal é que o candidato, além de formação, tenha uma história de sucesso ou empenho positivo em outras organizações”, acrescenta.

Fonte: Estadão PME, 13/07/2013, por Rodrigo Rezende

Equipe de redação da Une Consultoria.

Quer receber conteúdo da Une Consultoria - Sucessão | Governança ?

Cadastre seu contato aqui!

Mais sobre o nosso blog

Comentários...